close
Ana Claudia Oliveira da Silva

Ana Claudia Oliveira da Silva
Publicado dia 24 de set de 2021 às 10:00

Sedimentos de igarapés e o armazenamento de informação da biodiversidade para a recomposição de ambientes eutrofizados.

Autor: ALEXANDRE MANOEL KIRILO VERGUEIRO JÚNIOR Posição: Estudante de doutorado – PPG BADPI Fonte Financiadora: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq/INCT-ADAPTA II

Sedimentos de igarapés e o armazenamento de informação da biodiversidade para a recomposição de ambientes eutrofizados.

                                    O DNA ambiental pode ser definido como todo material genético obtido diretamente de amostras ambientais (água, neve, sedimentos e o solo), com aplicações em diversos estudos ecológicos. Em especial, os sedimentos são considerados um grande reservatório de dados de diversidade ecológica, uma vez que as condições comumente anóxicas nesses ambientes favorecem a conservação de células, tecidos ou as próprias moléculas de DNA pela inatividade de enzimas nucleases. Desta forma, o sedimento pode fornecer informações sobre a diversidade ictiofaunística que existia no passado em igarapés, que hoje encontram- se eutrofizados e com poucas ou nenhuma espécie de peixes (Foto). É o caso do igarapé presente no campus III do INPA, onde podemos empregar técnicas baseadas no eDNA para conhecer a diversidade de peixes pretérita e recompor sua ictiofauna nos dias atuais. Desta forma, hipotetizamos que a biodiversidade pristina deste igarapé deve se assemelhar ao encontrado em igarapés atuais de mesma ordem em estado mais conservado.