close
Izabel Maria Bezerra dos Santos

Izabel Maria Bezerra dos Santos
Publicado dia 23 de set de 2019 às 23:45

Estudos de peixes ornamentais em ambiente natural são fundamentais para aprimorar manejo das espécies

Peixes ornamentais são a principal fonte de renda do município de Barcelos (AM). O conhecimento básico sobre as espécies pode evitar que elas desapareçam do local

Estudos de peixes ornamentais em ambiente natural são fundamentais para aprimorar manejo das espécies

 O cardinal (Paracheirodon axelrodi) é a espécie de peixe ornamental mais famosa do Amazonas. Foto: Reprodução/Fapeam.


Qual o papel de determinados peixes em certas comunidades? Essa é a pergunta-chave que instiga a pesquisa de profissionais como a doutora em ecologia Cláudia Pereira de Deus. Ela comandou o seminário semana do Laboratório de Ecofisiologia e Evolução Molecular (Leem) desta segunda-feira (23) sob o título "Diversidade funcional e a exploração de peixes ornamentais: Como os nossos resultados podem contribuir para o sucesso do manejo dessas espécies na região de Barcelos (AM)". Assista na íntegra o vídeo do seminário.

Cláudia comanda um grupo de estudos que atua na região do Médio Rio Negro, no estado do Amazonas, na pesquisa peixes ornamentais. Esses pequenos e coloridos animais são a força motriz da economia do município de Barcelos, a 310 quilômetros da capital, Manaus. O cardinal (Paracheirodon axelrodi) é a espécie mais famosa.

"Fazemos simulações das possíveis alterações que a pesca do cardinal, o peixe mais cobiçado do local, pode provocar na comunidade de peixes da região. Com certeza, alguma consequência tem, mas precisamos estudar a espécia para saber qual o papel dele para a funcionalidade do sistema", explica Cláudia.

O trabalho da pesquisadora e seus alunos tenta, entre outras coisas, entender, por exemplo, como funcionam os gatilhos de reprodução dos peixes ornamentais em ambiente natural. As pesquisas anteriores fizeram simulações em laboratório. Cláudia e sua equipe trabalham em campo.

"Para se ter uma ideia, quando fazemos essa avaliação em campo, precisamos coletar exemplares da espécie todo mês para avaliar a maturação sexual, quando começa o desenvolvimento gonadal dela, a produção de ovos, entre outras coisas. Tudo isso é um trabalho de longo tempo e paciência, mas as respostas nos ajudam em muita coisa, entre elas, no manejo de espécies como o cardinal, que é a principal fonte de renda de muitas pessoas em Barcelos", esclarece.

Sobre a pesquisadora

Cláudia Pereira de Deus possui doutorado em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e foi coordenadora geral do Instituto Piagaçu no período de 2004 a 2012. Hoje, é pesquisadora titular do Intituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e professora orientadora de mestrado e doutorado no programa de Pós-graduação em Biologia de Água Doce e Pesca Interior (BADPI) no instituto. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de Comunidades e Biologia da Conservação, atuando principalmente nos seguintes temas: peixes, ecologia trófica, comunidade de peixes, desenvolvimento sustentável da Amazônia.